Célio conversando com João durante evento em Guarabira.

O radialista e advogado Célio Alves, atualmente ocupando o cargo de secretário-executivo do Orçamento Democrático Estadual, criticou o pedido de impeachment contra o governador João Azevêdo. “Não atende a requisitos básicos, pois não aponta qual crime de responsabilidade ele teria cometido. O governante não pode ser arrastado do poder por fatos supostamente ocorridos antes do mandato. E, no caso de João Azevêdo, nada há provado contra ele, que sequer é indiciado ou denunciado”, afirmou.

Célio Alves também questionou o fato de o pedido de impeachment alcançar a vice-governadora Lígia Feliciano. “Trata-se de algo inédito e completamente inconstitucional”, sustentou.

Liderança política em Guarabira, Célio Alves ainda questionou alguns políticos locais que se dizem aliados do governador, mas que não o defendem em um momento como esse. “Pelo contrário, vivem aos abraços com o deputado que quer a queda de João, e ainda articulam aliança eleitoral escancaradamente. O povo observa tudo isso e rejeita posturas oportunistas”, criticou.

ManchetePB