Ao longo dos séculos a filosofia chegou a uma conclusão: “construa pontes ao invés de muros”. Alguém em Pilõezinhos traduziu isso para prática. O primeiro foi José Eliezer Alves Resende, que construiu, quando prefeito, as primeiras pontes da cidade, entre elas, a central. A segunda foi a atual prefeita Mônica Cristina que não só fez outra ponte no lugar da antiga, mas construiu mais duas outras maiores paralelamente. Friamente, foram três pontes em uma.

E o que eles tem em comum? A visão futurista que sem ela ficamos presos nos muros do comodismo e do medo, sempre achando que é impossível crescer.

Tanto Eliezer quanto Mônica perceberam que só se desenvolve quando se faz ligação, ampliação, isso é visão. Eliezer deu a largada, Mônica completou a corrida. Por quantos anos os muros da ignorância e da politicagem foram erguidos? Quanto tempo perdido…

Ampliando o que foi iniciado lá atrás não estamos apenas alargando uma obra, mas alargando os horizontes do progresso, pois vem aí a rodovia que nos ligará a Borborema e região, com ela o asfalto das vias urbanas e, Pilõezinhos será finalmente, porta e saída do novo anel do brejo. Acha difícil? A obra da ponte também era difícil e saiu, com sua conclusão morrem muitas “corujas agorentas” que de tão pessimistas visam apenas a briga eleitoral e nada mais. Que sejam enterradas, pois precisamos de águias, essas sim olham pra frente e sabem voar.

As corujas do mau agouro fizeram muito barulho apostando no fracasso da obra, perderam de novo para as águias. Assim foi com Eliezer, também com Mônica. Venceram as pontes, caíram os muros.

ManchetePB