Bilhete que retrata a fome – Foto: reprodução / Facebook

Um aluno faltou à aula esta semana pra procurar osso em um matadouro/frigorífico próximo, para alimentar a família que não tinha o que comer.

Essa história de pobreza absoluta aconteceu esta semana e só teve um final feliz porque o bilhete, que comunicava a falta do estudante ao colégio, foi divulgado nas redes sociais pela professora do garoto. O drama tocou o coração de várias pessoas e comerciantes da cidade Tarauacá, no Acre.

Depois da comoção e da história aparecer no telejornal local, os pais do garoto receberam doações de tantos mantimentos, que também decidiram entrar na corrente do bem. Eles doaram o excedente para outras famílias necessitadas que vivem o drama da fome na região. (fotos abaixo)

A história

Tudo começou com um bilhete escrito pela mãe do estudante de 15 anos, que está no sétimo ano. Vamos chamar o rapaz de João, para não expor o jovem.

No bilhete entregue esta semana na Escola Estadual Delzuite Barroso, no Bairro de Copacabana, em Tarauacá, ela explicava:

“Diretora eu mando lhe dizer que o (João) não vai para escola porque ele vai pro matadouro atrás de ossada pra nós comer (sic), pois aqui em casa não tem nada pra nós comer (sic) e nem tenho dinheiro pra comprar. Tá faltando tudo na minha casa. Só não a saúde graças a Deus. (Mãe)”.

O bilhete dramático chamou a atenção da professora e coordenadora pedagógica Marleide Martins. Ela disse em entrevista ao SóNotíciaBoa que, como mãe, precisava fazer alguma coisa.

Mobilização

“Quando a diretora me passou a cartinha, me coloquei como mãe diante da situação e resolvi pedir ajuda. No momento havia colocado apenas no status do WhatsApp mas depois resolvi, com autorização da direção e sem expor o aluno e a mãe, divulgar no Facebook”.

Deu certo!

Depois do post, “A ajuda veio de todos os pontos da cidade: supermercados, drogarias, laboratórios e a própria população em si. Eles receberam muitos alimentos. As pessoas também doaram dinheiro”, contou a professora.

As fotos abaixo mostram as pessoas levando, nas cotas, sacos cheios de alimentos.

Pobreza absoluta

A Família mora em Tarauacá estado do Acre, no trecho da BR 364 perto da cidade. A casa não tem água encanada e eles carregam baldes para transportar o líquido.

Lá moram dona Josefa, que é mãe de 7 filhos e o marido doente, que foi mordido por uma cobra.

“5 filhos moram com ela e a mãe ajuda uma das filhas que mora perto: ela tem 2 filhos e está grávida do terceiro. Eles recebem benefício do bolsa família mas, mesmo assim, passam necessidade”, contou Marleide.

“Os filhos que estudam têm duas refeições diárias, oferecidas pelo estado. Mesmo assim tem dia que a família não tinha nada pra comer”.

A professora não sabe precisar a quantidade de doações que a família recebeu porque uma parte foi entregue na escola e outra levada diretamente na casa de João.

Corrente do bem

Certamente, dona Josefa nunca viu a despensa da casa dela tão cheia.

Com muita gratidão, ela mostrou que também tem coração grande e decidiu dar continuidade à corrente do bem.

A mãe de 7 filhos quer doar o excedente das doações para outras famílias necessitadas não passem fome.

“A corrente foi tão positiva que eles concordaram em ajudar outras pessoas”, contou a professora.

“O que está chegando na escola será doado para os outros “Joãozinhos e Mariazinhas” da nossa escola Delzuite Barroso”, concluiu.

Voluntários levam alimentos - Foto: Marleide Martins
Voluntários levam alimentos – Foto: Marleide Martins
"João" dá entrevista a TV local - Foto: Marleide Martins
“João” dá entrevista a TV local – Foto: Marleide Martins

ManchetePB com SóNotíciaBoa