GUARABIRA (PB) – Na manhã deste sábado (13) o coração do poeta Zezinho da Borborema parou e silenciou a voz de um dos ícones da cultura popular da microrregião de Guarabira. O “coco de embolada”, na feira livre e nas emissoras de rádio, levou um duro golpe da marreta da morte – do qual a pedreira da vida não aguenta.

José Cosmo Ferreira – seu nome de batismo – , tinha 63 anos e foi vítima de Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico, em sua residência, em Guarabira. Há 11 dias estava internado no Hospital de Trauma de João Pessoa, onde faleceu por volta das 5:30h depois de uma parada cardíaca.

O pandeiro, que deu animação aos versos da voz marcante de Zezinho da Borborema, está de luto. As feiras livres da região sentirão a ausência da sua “pomada milagrosa”. Os microfones das emissoras de rádio não ouvirão mais suas eloquentes canções, como o clássico o “capeta e a caveira”

AVC hemorrágico ou acidente vascular cerebral hemorrágico se dá pelo comprometimento de alguma artéria cerebral. Dizemos que o AVC é hemorrágico quando há o rompimento de um vaso cerebral, ocorrendo um sangramento (hemorragia) em algum ponto do sistema nervoso.

Veja um dos trabalhos de Zezinho de Borborema ao lado de Antônio Caju:

E ao lado de Curió de Bela Rosa:

ManchetePB