Os professores da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) permanecem em greve depois da assembleia realizada na manhã desta terça-feira (10). Segundo o comando de greve, o tema nem entrou na pauta do encontro, que encaminhou a realização de uma reunião com o governador Ricardo Coutinho na sexta-feira (13) e uma nova assembleia na terça-feira (17). Os docentes estão de braços cruzados desde o dia 19 de junho e já se aproxima de completar cinco meses.

De acordo com a professora Mauriene Freitas, que compõe o comando de greve, os docentes fizeram uma avaliação do movimento durante o encontro desta terça-feira e um grupo de professores chegou a propor que o fim da greve fosse votado, o que foi negado. “Vamos ter essa conversa com o governador na sexta e, se for positivo, pode ser que a greve seja encerrada na terça-feira. Mas precisamos esperar”, diz.

Durante estes quase cinco meses de greve, os professores chegaram a ocupar a sede da reitoria da instituição pra cobrar uma negociação com o reitor Rangel Júnior, mas o prédio foi desocupado 12 dias depois. Nesse período, uma assembleia dos professores chegou a ser cancelada por conta de uma confusão entre os docentes e alunos da instituição.

Entre as propostas discutidas estão a Inclusão de 10% na folha de pessoal para o ano de 2016, criação de uma mesa técnica formada por representantes do governo, reitoria, professores e estudantes da instituição, além do repasse do Governo do Estado de três milhões de reais para pagamento de bolsas aos professores.

Para o reitor da Universidade Estadual da Paraíba, o professor Rangel Júnior, a desocupação da reitoria é fundamental para a retomada dos diálogos. “Recebi com tranquilidade a decisão, a desocupação da reitoria, é fundamental para a retomada do diálogo sobre o fim da greve”, disse.