As escolas da rede municipal de Araçagi, na microrregião de Guarabira, não cumpriram a meta estabelecida para o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) nos anos iniciais (1º ao 5º ano) e finais (6º ao 9º ano) do ensino fundamental em 2019. O resultado do principal indicador da educação foi divulgado pelo Ministério da Educação (MEC) na última terça-feira (15).

De acordo com os dados do MEC, nos anos iniciais, cuja prova foi aplicada nas 4ª série/5º ano, o município teve índice de 3,7, média inferior, inclusive, a obtida em 2017. Com esse número, a rede não atingiu a meta estabelecida para o ano, de 4,5.

Já nos anos finais, cuja prova foi aplicada na 8ª série/9º ano, a meta a ser atingida era de 4,0, mas a a pontuação obtida foi 3,4.

Nos anos iniciais, das cinco escolas municipais avaliadas, a única que atingiu a meta foi a Escola Olívio Maroja. As demais, nenhuma obteve os resultados projetados pelo MEC. Confira abaixo as notas por escola:

No que tange às escolas dos anos finais, apenas a Escola Agripino Ribeiro Filho atendeu aos requisitos de aplicação do MEC, mas mesmo assim, obteve a nota 3,2, bem abaixo da projeção que era 4. A Escola Luiz Barbosa, no distrito de Canafístula, não teve a média divulgada pois não participou ou não atendeu os requisitos necessários para ter o desempenho calculado. Já a Escola Olívio Maroja não teve o número de participantes suficientes no Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) para que os resultados fossem divulgados. Confira abaixo o desempenho das instituições de ensino:

Procurada, a Prefeitura do município, através da Secretaria de Comunicação, não retornou o contato.

O Ideb é calculado a partir da taxa de aprovação das escolas e as médias de desempenho dos alunos em uma avaliação de matemática e português no Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb).

Os dados das provas foram conhecidos na semana passada. Segundo o MEC, mais de 64% dos alunos da rede municipal de ensino brasileira atingiram níveis insatisfatórios em português, e cerca de 68%, em matemática nos anos finais. Nos anos iniciais, 45% dos alunos das escolas municipais tiveram nível insuficiente, enquanto, em matemática, 50% tiveram o mesmo desempenho em português.