ng4373544 (1)A “mão boba” do chileno Gonzalo Jara no uruguaio Edison Cavani poderá render mais do que uma punição ao jogador chileno. Por causa da dedada no atacante da Celeste durante a partida entre Chile e Uruguai pelas quartas de final da Copa América, na última quarta-feira, Jara também poderá ser vendido por seu atual clube, o alemão Mainz.

A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) ainda não abriu nenhum processo disciplinar contra o jogador, mas tudo indica que a entidade tomará providências.

Alberto Lozada, membro do Comitê Disciplinar da Conmebol, confirmou que a entidade vai abrir um processo disciplinar para avaliar a atitude do jogador. Já Caio Cesar Vieira Rocha, presidente do Tribunal de Disciplina da Conmebol, não confirma a informação.

Segundo o diretor-esportivo do Mainz, Christian Heidel, mesmo com o contrato até 2016, ele pode ser negociado.

“Ele sabe que se uma oferta chegar, ele pode ir. Nós não toleramos isso. Ainda mais do que a atitude, foi o que veio depois que me fez ficar irritado. Eu odeio teatro mais do que qualquer coisa”, declarou Heidel ao jornal alemão “Bild”.

Jara pode ser considerado ainda reincidente neste tipo de situação já que durante a partida contra o Uruguai pelas eliminatórias da Copa do Mundo de 2014, ele colocou a mão no pênis do também atacante Luis Suárez. No jogo, o uruguaio deu um soco no defensor, mas nenhum dos dois chegou a ser expulso porque o árbitro não viu o lance.

Por causa da partida da Copa América, o árbitro brasileiro Sandra Meira Ricci, que expulsou Cavani, foi afastado pela entidade do resto da competição.

Do Band.com