A Polícia Militar da Paraíba e agentes penitenciários realizam, na tarde desta segunda-feira (27), uma revista no Presídio do Serrotão, em Campina Grande, após o fim da rebelião que ocorreu durante esta manhã na unidade prisional. De acordo com o secretário de Administração Penitenciária do Estado, Wagner Dorta, o motim foi controlado por volta das 12h30.

“O pessoal está apenas realizando o procedimento de revista e contagem dos detentos. A situação foi acalmada no início da tarde. Sobre uma nova rebelião, sempre há a possibilidade, mas o que posso garantir é que o Estado está preparado para o que vier”, disse Dorta.

Ainda de acordo com o secretário, o motivo da rebelião teria sido por conta de uma insatisfação dos detentos após a mudança da regra de banho de sol. Ele falou ainda sobre a possível ligação entre a rebelião e um ônibus que foi incendiado na manhã desta segunda-feira no bairro da Ramadinha, em Campina Grande.

“Eles ficaram insatisfeitos por conta da mudança nas regras do banho de sol. Antes, todos os pavilhões tomavam banho de sol juntos. Agora cada um tem seu horário. Esta mudança é visando a segurança. Sobre o ônibus queimado, não podemos descartar que tenha sido ação do crime organizado, mas garanto que o Estado não vai recuar para o crime organizado”, afirmou.

Durante a rebelião, um detento ficou ferido após ser baleado na cabeça e foi encaminhado para o Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande. O secretário afirmou que ainda não há confirmação se houve mais feridos. Segundo ele, homens do Batalhão de Operações Especiais e do Grupo de Operações Especiais da Polícia Militar e agentes penitenciários do Serrotão, estão fazendo a avaliação no local e apurando se há mais feridos. Porém, ele afirmou que nenhum agente ou policial tenha ficado ferido durante a confusão.

Atualmente, a unidade possui 920 presidiários, segundo o secretário Wagner Dorta. Ele afirmou que até o momento não está planejada nenhuma transferência de detentos para outra unidade prisional.

Mais um caso
Outra rebelião tinha sido registrada no dia 13 de maio no Presídio do Serrotão, um dia após um dos detentos ter sido decapitado. No dia 14, 22 detentos foram transferidos do Presídio Regional do Serrotão para unidades prisionais de João Pessoa.